Rolim de Moura - RO
00:00
Rondônia

Rondoniense formado no Paraguai precisa ir à justiça pelo direito de participar do programa “Mais Médicos”

Fonte: Do Folha do Sul Online

17/03/2019 09h 27min

  • Compartilhe Essa notícia
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Rondoniense formado no Paraguai precisa ir à justiça pelo direito de participar do programa “Mais Médicos”

Uma ação do jovem médico Rafael Guedes dos Santos, protocolada na Vara Federal de Vilhena, poderá abrir caminhos para outros profissionais que, como ele se formaram no exterior, e enfrentam problemas para se inscrever no programa “Mais Médicos” do Governo Federal. Filho dos pioneiros Ana Paula e Adelmo Júnior, o “Delminho”, Rafael se formou em medicina em Ciudad Del Leste, Paraguai, em 2016.

Já apto a atender pacientes, ele tentou se inscrever no programa federal, mas uma falha no sistema de informática do Ministério da Saúde impediu que ele escolhesse o município onde gostaria de atuar. Havia 1.500 vagas disponíveis para 4 mil médicos e, embora o vilhenense tivesse a intenção de optar por sua terra natal, não teve esta oportunidade.

Ao explicar a falha que o impediu de concorrer aos postos de trabalho, o clínico geral obteve uma liminar e, com isso, acabou tendo seu nome inscrito. Porém, o Ministério da Saúde, mesmo com a decisão, relutava em aceitar a participação do rapaz, que está inscrito, mas ainda não conseguiu escolher seu destino como médico. No login de acesso, ele não conseguiu fazer a opção. E, agora, apesar de inscrito no “Mais Médicos”, terá que ir para onde for enviado.

Depois de muito custo e da intervenção da deputada Jaqueline Cassol (PP), junto ao secretário de gestão estratégica e participativa do Ministério da Saúde, Erno Hazheim, a ordem judicial com pedido de liminar foi cumprida.

Apesar da vitória parcial, os pais do vilhenense ainda tem que o governo federal continue contestando a participação de Rafael no programa, sob alegação de que não há mais vagas disponíveis. “Mas já recebi mensagens de secretários de Saúde em cidades de Rondônia dizendo que há vagas para médicos”, revelou a mãe.

MAIS NOTÍCIAS DE POLÍTICA