Rolim de Moura - RO
00:00
Rondônia

Sistemas do governo de Rondônia geraram mais de 400 terabytes em tráfego e armazenamento de dados até 2019

Fonte: DA ASSESSORIA PARA O ROLNEWS

09/12/2019 12h 56min

  • Compartilhe Essa notícia
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Sistemas do governo de Rondônia geraram mais de 400 terabytes em tráfego e armazenamento de dados até 2019

O Data Center é visto como o coração da administração pública, pois é nele onde estão armazenados praticamente todos os dados do governo. Esses dados são gerados por meio de cadastro no e-Estado, sistema que gerencia as informações dos servidores públicos, documentos gerados no Sistema Eletrônico de Informações (SEI), boletim de ocorrência gerado pelos órgãos de segurança, emissão de licença da Secretaria de Estado de Finanças (Sefin). Com o uso de vários outros sistemas, até o ano de 2019, Rondônia gerou cerca de 400 terabytes de arquivos. Se todo esse volume fossem impresso em papel A4 e empilhados, seria o equivalente a mais de 5 mil edifícios do tamanho do maior prédio do mundo, o Burj Khalifa, que tem 828 metros e está situado em Dubai.

O coração de arquivos do Poder Executivo de Rondônia fica no prédio Rio Pacaás Novos do Palácio Rio Madeira, em Porto Velho, em um espaço reservado somente a ele e foi criado para atender todas as secretarias. O Data Center passou a ter esse novo espaço físico, em julho de 2018, e assim implantou um software de infraestrutura com arquivos em nuvem, sendo possível expandir sua capacidade de armazenamento e atender secretarias que antes não eram beneficiadas.

Esses dados servem para auxiliar na construção de estratégias de governo, desenvolvimento de políticas públicas e para saber como está o Estado. Um exemplo é quando uma pessoa faz uma denúncia ao 190, ou no Corpo de Bombeiros pelo 193, essa ligação gera dados para saber onde tem maior índice de criminalidade ou de incêndios, assim é possível montar as estratégias.

O setor de infraestrutura da Superintendência do Estado para Resultados (EpR), responsável pelo gerenciamento do principal Data Center do governo de Rondônia, trabalha com 13 servidores públicos que operam como único ponto de acesso para que os dados e informações sejam consolidados.

Segundo o superintendente da EpR, Coronel Delner Freire, “a tendência dessa massa de dados é de crescimento, tendo em vista a modernização e inovação de serviços do Estado que estão sendo desenvolvidos”, ressalta.

Para assegurar eficácia no transporte e armazenamento desses dados, a infraestrutura tem monitorado os equipamentos a ponto de antecipar situações que possam vir a causar risco e prevendo possíveis falhas para atuar antes da ocorrência de incidentes.

A Sefin, uma das secretarias que possui grande aporte de dados eletrônicos, atua diretamente na gestão de todos ativos de TI, monitorando através de ferramentas atuais. Seus serviços tem redundância e utilizam máquinas virtuais que otimizam e facilitam a recuperação no caso de falhas, contando ainda com servidor de backup.

Analistas e técnicos de todo o governo se unem para manter e disponibilizar todos serviços oferecidos pelo Estado, e, assim, direcionar os serviços para contribuintes, pela Sefin; segurança, pela Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec); suporte no atendimento aos serviços de saúde, pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesau); e de educação, pela Secretária de Estado da Educação.

Os dados no formato digital tem recebido atenção dos gestores das secretarias, que têm visto como a inovação e modernização desses serviços melhoram a qualidade de vida dos servidores, além de trazer facilidade para população e ajudar na desburocratização da administração pública.

De acordo com o gerente de infraestrutura, Gabriel Carrijo, “esses dados também constituem as principais informações da administração do governo, por meio de sistemas que auxiliam atendimentos nas áreas de saúde, educação, vigilância sanitária e outras áreas”.

Em Rondônia, o Data Center é projetado para concentrar servidores, equipamentos de processamento e armazenamento de dados, e sistemas de ativos de rede, como switches, roteadores, e outros. O espaço possui proteção contra incêndios, além de sistemas de resfriamento dos racks, para manter uma temperatura estável e melhor desempenho.

Outras Imagens

Sistemas do governo de Rondônia geraram mais de 400 terabytes em tráfego e armazenamento de dados até 2019

MAIS NOTÍCIAS DE TECNOLOGIA