Rolim de Moura - RO
00:00
Rondônia

Educação Domiciliar/Familiar

Fonte: ROLNEWS

15/04/2019 09h 39min

  • Compartilhe Essa notícia
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Educação Domiciliar/Familiar
Professor DIrceu Bettiol

cesso em 13/04/2019.

 

EDUCAÇÃO DOMICILIAR/FAMILIAR

 

Por: Dirceu Bettiol, Professor do Departamento de Educação da UNIR/Campus de Rolim de Moura.

 

Neste momento se inicia discussão sobre a Educação Domiciliar/Familiar, inclusive o Projeto de Lei já enviado no dia 11 de abril ao Congresso Nacional,para análise e discussão para uma possível aprovação, acredito que seja importante, pois somos um pais democrático e tudo que seja iniciativa da sociedade deve ser respeitado e dar o encaminhamento devido, com isso não significa que deve ou não ser aprovado.

Quanto ao mérito, entendo que estamos embrenhados numa questão muito perigosa e delicada, no momento que se discute também a qualidade de ensino oferecido, assim como a educação em tempo integral que deveria estar em debates e em plena implantação, a Educação do Brasil não está perene, os desníveis sociais interferem diretamente no processo, implantar a Educação Domiciliar/Familiar pode ser uma das formas de comprometer ainda mais a qualidade de ensino do país.

Se tivéssemos num país em que o sistema de ensino fosse prioridade para os governantes, como em outros, citando como exemplo aFinlândia que ocupa o primeiro lugar, dentre os 36 países pesquisado pelo PISA, seguido do Japão em segundo e Suécia em terceiro, que lideram o ranking internacional de qualidade da Educação Mundial, em todos os seus aspectos em níveis educacionais, poderíamos sonhar em que as famílias estruturadas com pais cultos e habilitados, talvez seria uma das opções por uma educação melhor. Mas, não vemos essa possibilidade, numa sociedade subdesenvolvida culturalmente e economicamente, onde o próprio sistema educacional atual de ensino está em decadência, com professores maus pagos em consequência pouco qualificados, com uma estrutura curricular indefinida que não atende as peculiaridades do conhecimento integral do aluno e das desigualdades sociais,  estrutura física dos estabelecimentos na sua maioria sem manutenção, sem equipamentos, laboratórios e bibliotecas, sem falar das tecnologias que estão a mercê do que é ideal, não condiz com as necessidades programáticas curriculares.

 

A OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) mantém um ranking da educação em 36 países, no qual o Brasil atualmente amarga a penúltima posição, à frente somente do México. Como critérios avaliados pela organização estão o desempenho dos alunos no PISA, a média de anos que os alunos passam na escola e a porcentagem da população que está cursando ensino superior.

Fonte: OECD Better Life Index

 

Como a OCDE nos mostra a realidade da educação brasileira que ocupa o trigésimo quinto lugar na frente do México e atrás da Turquia. O PISA em seus aspectos avaliativos buscam analisar o desempenho escolar dos países participantes em três aspectos principais: leitura, matemática e ciências. O estudo coleta informações para a composição de indicadores contextuais que permitam relacionar o desempenho dos estudantes a variáveis educacionais, socioeconômicas e demográficas. Como demonstra o relatório da UNESCO.
 
O Brasil manteve a mesma posição do ano passado e ficou no 88º lugar de 127 no ranking de educação feito pela Unesco, o braço da ONU para a cultura e educação. Com isso, o país fica entre os de nível "médio" de desenvolvimento na área, atrás de Argentina, Chile e até mesmo Equador e Bolívia.Ângela Pinho


Homeschooling, iniciativa de grupos religiosos, que entendem que “é devem dos pais ou responsáveis legais em optarem pela educação domiciliar como manter a convivência familiar e comunitária”, como Educação Escolar em Casa.
A pesar do governo ter enviado o projeto para o Congresso Nacional decidir, por ser um tema de interesse social, sendo aprovado, o sistema de ensino estará ameaçado, uma vez que o Ministério da Educação não conseguirá dar atendimentoe condições reais para um acompanhamento rigoroso, transformando num caos ainda maior no sistema de ensino brasileiro.
Por outro lado,da questão, temos a omissão das famílias em relação a educação dos filhos, os pais envolvidos no processo de trabalho para manter a família, ficam ausentes do lar em consequência dos filhos, não teriam tempo disponíveis para dar o atendimento educacional programático dos conteúdos necessários a formação dos filhos. Além dos filhos não participarem do processo de integração social escolar, convivendo e trocando informações com os demais colegas numa escola devidamente estruturada para convivência das adversidades humanas. 
Acreditamos que seja devidamente debatido e analisado por especialista da área pedagógica e técnicos educacionais, antes de ir para a provação, para não cairmos em um buraco ainda maior nos índices estáticos Nacionaise Internacionais.

Referências
https://veja.abril.com.br/blog/impavido-colosso/em-ranking-da-educacao-com-36-paises-brasil-fica-em-penultimo/, publicado em15 de fev.de 2017, acessado em 13/04/2019.

https://blog.lyceum.com.br/ranking-de-educacao-mundial-posicao-do

brasil/#Aspectos avaliados. A

https://www1.folha.uol.com.br/saber/882676-brasil-fica-no-88-lugar-em-ranking-de-educacao-da-unesco.shtml. Acessoem 15/02/2019

 

 

MAIS NOTÍCIAS DE EDUCAÇÃO