Rolim de Moura - RO
00:00
Rondônia

Caminhoneiro paulista de 58 anos morre após sofrer infarto em Vilhena e cunhado denuncia situação dramática da categoria

Vítima de 58 anos havia descarregado adubo em Corumbiara a aguardava novo frete

Fonte: DO FOLHA DO SUL ONLINE

01/12/2019 13h 12min

  • Compartilhe Essa notícia
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Caminhoneiro paulista de 58 anos morre após sofrer infarto em Vilhena e cunhado denuncia situação dramática da categoria

Na semana passada, após entregar uma carregamento de adubo em uma fazenda no município de Corumbiara, o caminhoneiro Sebastião Vicente Araújo, de 58 anos, encostou sua carreta num posto de combustíveis, em Vilhena, e ficou esperando para carregar novamente e retornar à sua cidade natal, Assis, no interior de São Paulo.

Na quarta-feira, 27, após passar necessidades enquanto aguardava o novo frete, o motorista pediu que a esposa lhe enviasse dinheiro. Ele chegou a comprar passagem para retornar de ônibus a São Paulo. Deixaria o caminhão no local para que a empresa mandasse alguém buscar o veículo.

Horas antes do embarque, no entanto, Sebastião sofreu um infarto, enquanto conversava com chapas no posto onde estava estacionado. Os próprios amigos socorreram a vítima, levando-a até o Hospital Regional. Por volta das 16:00h, Tião morreu em virtude do ataque cardíaco que havia sofrido dois dias antes.

O FOLHA DO SUL ON LINE conversou com um cunhado do caminhoneiro, que veio de ônibus até Vilhena, junto com a viúva, para providenciar o translado do corpo e levar o caminhão. Ao site, ele fez denúncias graves, garantindo que o cunhado jamais havia tido problemas cardíacos.

O entrevistado, que também é caminhoneiro, disse que a morte do familiar resume a situação dos profissionais da categoria, que estão adoecendo em virtude das tensões da profissão. “Vou voltar para São Paulo e procurar emprego em outra área. Os patrões estão fazendo a gente adoecer. Quase todo mundo tá com diabete e pressão alta”.

O denunciante disse que, como os motoristas trabalham por comissão, só garantem rendimento se houver fretes, e dispara: “mas os patrões obrigam a gente a ficar esperando até que consiga uma carga cujo valor seja bom pra eles. Enquanto isso, passamos até fome nessa espera”.

MAIS NOTÍCIAS DE POLICIAL