Rolim de Moura - RO
00:00
Rondônia

Aplicativo usa foto de celular para detectar risco de câncer de pele

Tecnologia informa se lesão aparenta ser maligna e pode ser usada por clínico geral, o que acelera o diagnóstico; não há previsão de comercialização

Fonte: AGENCIA BRASIL

06/12/2019 07h 31min

  • Compartilhe Essa notícia
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
Aplicativo usa foto de celular para detectar risco de câncer de pele
Fernando Frazão/Agência Brasil

Um aplicativo desenvolvido no Brasil promete mais agilidade no diagnóstico do câncer de pele, um dos tipos mais comuns no país, ao utilizar fotos tiradas com celular. 

A ferramenta foi criada por desenvolvendores do Instituto de Informática da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e do IEEE (Instituto de Engenheiros Eletrônicos e Eletricistas).

 
Por enquanto, existe apenas um protótipo que está sendo testado na universidade.
 
“A partir da imagem capturada, esse software detecta e analisa a lesão da pele levando em conta a regularidade das bordas, as cores e o tamanho", explica o professor e coordenador do projeto Jacob Scharcanski, membro do IEEE.

"Com essas características, ele diz se a lesão é potencialmente maligna ou não”, completa.

Leia mais: Nova terapia promete reduzir mortes por infecção generalizada

O câncer de pele não melanoma é o mais frequente no Brasil – corresponde a 30% de todos os tumores malignos –, com 165.580 casos novos em 2018  e tem alta taxa de cura.

Por sua vez, o melanoma é o mais grave pelo alto risco de apresentar metástase, mas corresponde a apenas 3% dos casos de câncer de pele. A estimativa foi de 6.260 novos casos em 2018. Os dados são do Inca (Instituto Nacional do Câncer).

Hoje, o diagnóstico de lesões de pele é feito com um aparelho especializado chamado dermatoscópio. Ele só pode ser usado por dermatologistas treinados.

Já o aplicativo poderá ser utilizado por outros profissionais de saúde, como o clínico geral. Não é necessário ter iluminação ou qualquer outro equipamento especial.

Essa facilidade vai tornar mais rápido todo o processo pelo qual um paciente com câncer de pele deve passar – desde o diagnóstico até o tratamento. “Com isso, a chance de a pessoa ser curada é muito maior”, afirma Scharcanski.

“O clínico vai encaminhar o paciente para o dermatologista já indicando que a lesão tem potencial para ser maligna. Então, numa fila de espera do SUS [Sistema Único de Saúde], a pessoa terá alta prioridade”, exemplifica.

Leia mais: Inteligência artificial ajuda médicos a salvar vidas em hospitais

Ainda não existe uma previsão para que a nova tecnologia chegue ao mercado, pois isso depende de investimentos do setor privado.

“É preciso que alguma empresa tenha interesse e faça o processo de certificação. Mas se isso acontecesse hoje, dentro de um ano o produto já estaria sendo comercializado”, diz o professor.

Ele ressalta que a nova tecnologia não substitui o dermatologista. “É um auxiliar. Apenas acelera a ida da pessoa ao dermatologista, que é essencial para fazer o diagnóstico do câncer de pele."

Quer ficar conectado com o Rolnews em seu WhatsApp?
Entre agora em nosso grupo e fique bem informado.
Clique aqui para entrar no grupo.

MAIS NOTÍCIAS DE TECNOLOGIA