Direitos da Vitima

GERAL

Funcionário de hospital é afastado ao se beneficiar do cargo em Alvorada do Oeste

Homem trabalhava como diretor do hospital sem ser nomeado. Segundo MP, ele é sócio de uma funerária e monopolizava os serviços funerários.

Postada em 05/12/2017 09:54hrs
Fonte: Do G1 RO

Funcionário de hospital é afastado ao se beneficiar do cargo em Alvorada do Oeste

Foi determinado o afastamento, por improbidade administrativa, de um funcionário do Hospital Municipal de Alvorada do Oeste (RO), situada a cerca de 500 quilômetros de Porto Velho. O pedido do afastamento foi feito pelo Ministério Público de Rondônia (MP-RO) junto ao Poder Judiciário. O funcionário está afastado do hospital.

A decisão saiu em novembro e é resultado de uma ação civil pública proposta pela promotoria de Justiça de Alvorada. Segundo o MP, com o consentimento do atual chefe do poder executivo, o prefeito José Walter da Silva, o funcionário Celcino de Souza exercia, sem ser devidamente nomeado, a função de diretor da unidade de saúde.

Ainda segundo o MP, Celcino é sócio de uma funerária na cidade e estaria se beneficiando do cargo, pois aproveitava a posição de diretor para monopolizar os serviços funerários, encaminhando todos os casos de falecimento à funerária.

G1 entrou em contato com o prefeito, José Walter, que informou que nunca houve uma pessoa nomeada como diretor do hospital e, de acordo com Walter, Celcino é um funcionário de carreira, mas não era autorizado responder pela direção do hospital. Ainda de acordo com o prefeito da cidade, não há um sistema de rodízio de funerárias.

“Se ele agia como ou chegou a assinar alguma coisa como diretor, eu desconheço. E sobre a questão da funerária, não há um sistema de rodízio ou outra coisa neste sentido. A funerária é escolhida pela família do falecido”, explica.

Celcino é servidor estadual, mas está lotado no hospital municipal onde trabalha no local há 30 anos no setor operacional. Ao G1, ele afirmou que, desde janeiro, era um dos indicados ao cargo de diretor do hospital, mas, ainda não tinha sido nomeado. Ele afirma que realmente era sócio de uma funerária, mas vendeu.

“Eu vendi essa funerária em setembro de 2011, não tenho mais nenhum vínculo. Desde janeiro eu sou a indicação da prefeitura, e estava aguardando para ser nomeado”, explica Celcino.

O afastamento impede o funcionário de ter acesso a todos os documentos relacionados à posição de confiança e também está impedido de ser nomeado em outros cargos. A liminar também obriga à prefeitura de Alvorada do Oeste de nomear outro nome para o cargo em até 30 dias.

De acordo com o prefeito, a situação está sendo avaliada e a contratação acontecerá assim que a prefeitura tiver fundos para manter um diretor na unidade. “Tenho que trabalhar com a realidade do município. Estamos trabalhando para resolver isso”, explica o prefeito Walter.

SAFIRA - NOTICIA RODAPEEscritório Brasil 2SAFIRA - NOTICIA RODAPECERAMICA UNIAOGAZIN